Um Câncer Social – Rio Center

Um Câncer Social

Normal.dotm 0 0 1 53 304 PC 2 1 373 12.0 0 false 18 pt 18 pt 0 0 false false false

“Para algumas pessoas, ser apontado e admirado na rua é um ideal de vida. Estranho? Nem tanto, apenas uma necessidade exacerbada de reconhecimento.”
Ana Holanda

   

Hoje em dia ha uma procura muito grande pelo corpo, rosto e modo de se vestir perfeitos. Isso é um reflexo dos grandes objetivos da atualidade. Essas pessoas almejam atenção e admiração.
O excesso de narcisismo pode resultar em dificuldades em lidar com pequenas frustrações que podem surgir com a não visibilidade, por exemplo, que pode se tornar um grande sofrimento.
Quando há muita pressão psicológica sobre uma sociedade, seja na divulgação do corpo perfeito até na cobrança de extremos cuidados com a beleza, mesmo que sejam indiretamente, constrói-se uma grande sede em estar ou seguir um modo de vida bonito, contemporâneo e idealizado como perfeito. É nesse momento que se vêem pessoas fazendo plásticas, reduções, implantando silicones em todo o corpo, entre outras mil e uma formas de se tornarem pessoas com o estilo mais próximo ao daquela modelo “X”.
 Literalmente, essa cobrança pelo corpo perfeito é “um massacre emocional nas sociedades modernas”, como diz Augusto Cury em seu livro A Ditadura da Beleza e a revolução das mulheres.
A questão de cuidar do corpo e alma das formas mais simples, como usar um perfume agradável, hidratar o corpo, comer alimentos saudáveis, praticar esportes, buscar espiritualmente forças que os deixem de bem consigo mesmos e com a vida, são muito importantes e necessários para a saúde corporal.
Agora, quando se fala em estrapolações e passar dos limites fazendo de tudo para mudar a própria aparência e estar dentro de um padrão inatingível de beleza, já é demais. É claro que pequenas coisas podem fazer grandes diferenças, e essa pode ser uma alternativa bem agradável. O problema é encontrado quando as pessoas querem ser um berço de mudanças.
Mas não há porque se culpar de atitudes tomadas precipitadamente. Nunca devemos nos arrepender por nada que fazemos. Não existe forma alguma de mudar o passado, porém, podemos começar um novo futuro desde já.
 “O sistema social está cometendo uma das maiores atrocidades contra as mulheres da atualidade.”
Essas guerreiras que lutaram durante anos pela liberdade de expressão, pelo reconhecimento e por dizerem também que são seres humanos e que podem inclusive governar uma nação, estão sendo alvo de um grande inimigo, o campo emocional.
Os meios de comunicação hoje em dia divulgam seus produtos, seja de beleza ou não, de formas cada vez mais evoluídas tecnologicamente. Junto a eles estão os garotos e garotas propaganda mais bonitos e com aparência simpática que já existiu. Porém, o que fica gravado na mente dos consumidores não é só a imagem do produto, mas também a lembrança dessas pessoas que estão usando os produtos nas propagandas. E nasce então, um desejo irracional de ser àquela pessoa do comercial.
Mas esse ser humano, a espécie mais complexa existente no mundo, deve saber que cada um é protagonista da própria vida, e que temos que nos amar cada dia mais, independente de sermos todos diferentes uns dos outros, pois cada ser humano tem sua própria beleza e é só fazer um pequeno esforço para se encontrar interiormente, mesmo que não estejamos dentro dos padrões de beleza divulgados pela mídia.
 
“A pior ditadura é aquela que nos controla por dentro, que distorce nossa crítica e a percepção da realidade. As mulheres e também milhões de homens, vivem debaixo de uma ditadura interior e de uma democracia política exterior. O objetivo da ditadura da beleza é promover inconscientemente a insatisfação, e não a satisfação. Pois uma pessoa satisfeita, bem-humorada, feliz, tranquila, não é consumista, consome de maneira inteligente, não precisa viver a paranóia de trocar continuamente de celular, de carro, de roupas, de sapatos. Todavia, pessoas insatisfeitas projetam sua insatisfação no ter. Porém sentem cada vez menos.” A.C.
Não podemos deixar que um padrão doentio se forme em nosso inconsciente, e que isso se torne uma zona de conflito com nosso ser. Não devemos deixar ninguém controlar nossas emoções, gerar dessa forma a contração de nossa auto-estima, ansiedade, insatisfação, preocupação excessiva com nossa imagem, rejeição por alguma área de nosso corpo. Tudo isso é sintoma do padrão inatingível de beleza, que deve ser desfeito o quanto antes.
Nós temos que ser pessoas livres para sermos o que somos sem nos envergonhar de nossa aparência e sem se comparar com ninguém.

 

“A beleza está nos olhos de quem vê e devemos ter um romance com nossa própria história, pois cada ser humano é um personagem único no palco da existência.”A.C.
Ladislau Uda
Estudante de Publicidade e Propaganda – UFRN
Blog: http://linguagemlauriana.blogspot.com/

 

 

Comece a digitar e aperte Enter para buscar

Carrinho